quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Edital das Lagoas da Serra da Estrela 2013

 
Ricardo Oliveira  insurge-se aquiaqui pelo facto de o edital
para 2013,que regula a pesca das trutas nas  Lagoas e Albufeiras  dentro da área da Serra da Estrela,não valorizar a pesca sem morte.

Está indignado,sobretudo com a falta de palavra assumida pelo responsável,do agora editado documento,ao ter assumido que"  lago do vale do Rossim abrisse sem morte em 2013 ,e em directo para a televisão fizemos uma reportagem e um repovoamento de alevins no âmbito de promover e divulgar a pesca sem morte, onde nesse dia esteve presente um responsável da entidade florestal ,onde ficou apalavrado que abertura do vale do rossim para pesca sem morte para o ano de 2013 ."


Isto revela uma facada pelas costas  aos compromissos assumidos do responsável, perante o grupo de pescadores e consequente quebra de confiança na instituição em causa, ICNF!

Atitudes deste género levam a suspeitar que interesses de protecção a  determinada franja de pescadores ou mesmo a interesses socioeconómicos sejam postos acima dos interesses comuns da comunidade e amantes da pesca sem morte.
Não se compreende como os recursos existentes não são valorizados da mesma forma,sendo que a consagração da pesca com morte no Lagoacho,por um período de 30 dias,é um bom exemplo daquilo que está em causa.

Perante estes factos,estarei ao lado daqueles(tal como eu)  lutam pela regulação da pesca como destino turístico e de valor acrescentado quer,em primeiro lugar para as populações,quer como mais valia do aproveitamento paisagístico inerente ás actividades de desporto de Natureza  ,salvaguardando e respeitando o direito legal daqueles que optam por manter uma pesca com morte,desde que esta seja responsável e com regras bem definidas que não as actuais.

Esta tem sido a minha vincada posição relativamente ao fraco aproveitamento por parte dos responsáveis da tutela (AFN/ICNF) dos excelentes rios e ribeiras existentes no território Português estando estes claramente subaproveitados.
João Dias


   

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Varziela

Um trilho pouco conhecido mas muito interessante.Há duas hipóteses para lá chegar,ou por Leonte ou pela pela Portela do Homem.Em qualquer dos casos fazendo os cerca de 3km de estrada sempre apé,porque como bem sabem é proibido estacionar nestas áreas.

Depois deste suave passeio de estrada o trilho começa precisamente onde existia em tempos os viveiros das trutas na Albergaria.

Á medida que se sobe,começa-se a ter uma perspectiva do Vale do Homem,o promontório de Calvos com a mata de Palheiros a seus pés e a Serra Amarela aparece à medida que se ganha altitude.
 A subida  é um pouco extensa e apresenta um grau de dificuldade alto,embora o trilho se apresente em bom estado de conservação.

Chegados quase ao topo aparece-nos o velho Curral da Varziela.


Ainda falta uma ultima subida até ao topo,onde somos brindados com uma paisagem fabulosa.
Daí eu ter feito a entrada num destes post,s com o titulo "Dois lados",tomando como linha de divisão a Estrada e o Rio Maceira.
Daqui a vista é fabulosa sobre os picos,como Pé de Madela,Borrageiras,Cantarelo,Carris de Maceira  etc...
Tínhamos alguns objectivos nesta jornada que passariam pela descoberta dum suposto curral esquecido à décadas,entre a Varziela e o Mourinho(apenas suspeitamos o seu local mas  não o viemos a  descobrir) perceber a existência dum marco,em local estratégico,uma visita ao secular Curral do Mourinho e finalizar com a descida ao prado Marelo.
Esta não chegou a acontecer, passando ao lado em direção ao Pé de Cabril.

Na descida para Leonte encontramos uma carcaça de potro acabada de ser devorada pelos lobos,cenário verdadeiramente assustador,tal era o rebuliço,com várias partes espalhadas e trituradas.
Uma grande abertura na urze dava sinal de que os bichos tinham fugido par lá com a parte dianteira, incluindo a cabeça....já não os vimos....apesar de me ter apercebido de barulho vindo do cerrado matagal.
Assim terminava este bonito trilho,que recomendo vivamente a quem quiser fazer uma incursão  mais curta pelo Gerês(cerca de 5 h)
Fotografias©João Dias

     


sábado, 24 de novembro de 2012

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Rio Arnoia

Numa dessas jornadas de pesca pela Galiza tive oportunidade de pescar o famoso rio Arnoia.
Já não me lembro muito bem em que mês foi mas tenho a impressão que foi pelo mês de Julho.

O convite tinha surgido à algum tempo atrás na sequência de uma amizade com um guarda florestal Galego e exímio pescador à pluma residente justamente em Allariz.


Era de aproveitar a oportunidade,até porque a distancia entre Viana e Allariz não é assim muita.
Da parte da manhã pescamos um troço  lindíssimo,rodeado de grandes espaços verdes,com parque infantil,estruturas hoteleiras,trilhos pedestres e de lazer,onde o rio está muito bem tratado apesar de se inserir dentro duma área claramente citadina.
Este é um troço que atravessa a histórica cidade onde a pesca esteve,até à época transacta,restringida à pesca sem morte pelo que as expectativas de boas capturas eram muitas altas.


Recordo-me que o dia estava ameno e bastante nublado e o relato de meu amigo dava conta de existirem grandes exemplares,principalmente nas imediações de 2 grandes açudes que fazem parte do troço(que não é muito extenso).

Como sempre o Zé Macedo foi a minha companhia e nosso amigo (Galego) Alberto não iria  pescar  connosco da parte da manhã devido a assuntos pessoais.

Começamos muito bem,com as  trutas  a subirem bem,sobretudo junto ás margens.
Com o aproximar do grande açude o tamanho das trutas era efectivamente maior.
Quer eu quer o Macedo cravávamos boas trutas  até ao monumento em que a sorte me calhou a mim-uma dessas grandes atacou a pluma(efémera)e arrancou sem parar não me dando chance para lhe por os olhos em cima.
O Macedo deu-me um valente raspanete mas eu nem me importo nada com isso pois a satisfação para mim é a mesma como se tivesse a truta nas mãos.

Não demorou 10 minutos para o momento do dia vir a aconteçer.
Caminhávamos calmamente junto ao rio, e já muito perto da ponte que dá acesso à parte velha de Allariz,quando avistamos umas 4 trutas postas a meia água.
Não eram trutas quaisqueres ,2 eram seguramente muito acima dos 50cm.
Ficamos longos minutos estatizados a  contempla-las;estavam seguramente a comer ninfas.
Então o Macedo,com toda a calma do mundo,resolve montar uma pequena ninfa(simples) e lança.
O primeiro lançamento não correu bem,a ninfa ficara pendurada mesmo por cima das trutas nuns ramos.
Tememos que as trutas se assustassem e fugissem.Mas não,apesar de algum barulho,elas continuavam a alimentar-se e era bem visível a cor abrancaçada das mandíbulas num constante movimento. 
Segunda tentativa,e já as duas trutas mais pequenas,que se posicionavam atrás das duas maiores ,se tinham apercebido da nossa presença,partindo a grande velocidade para o centro do rio.
Desta vez a ninfa caiu a uns 40/50cm das trutas,mas ao lado e abaixo do corpo.
Aí podemos presenciar ao detalhe o comportamento destes peixes.A truta maior reagiu,provavelmente ao barulho da queda na água da ninfa e deu uma volta a 360º atacando a ninfa.
Começou a luta entre pescador e peixe,breves momentos de luta com muitas cabeçadas e correrias,até que se descrava.
A desilusão estava estampada na cara do Macedo ficando sentado longos minutos sem dizer nada.Bem tentei anima-lo mas a cada vez que insistia ele perguntava o que fez de errado!Claro que a pesca ficou por aí e já nada fazia sentido...

Esta jornada estava estrategicamente combinada para coincidir com a feira da cidade para podermos apreciar uma das iguarias mais  emblemáticas da Galiza-o famoso Polpo à feira.


Estava divinal,com cozedura tenra  regado com um não menos saboroso azeite virgem...enfim a pesca também se faz destas coisas!

A parte da tarde o nosso anfitrião tinha-nos reservado um outro troço do Arnoia sem morte desta feita uns km a montante.

Desta uma vez o rio apresentava uma sequência de boas correntes ideal para uma tarde memorável,porém as condições atmosféricas mudaram significativamente formando-se uma violenta trovoada seguida de forte chuvada.
Ainda se fez algumas capturas nos poucos lances que podemos efectuar....
Soube a pouco e ficou a promessa de lá voltar em condições ideais
Um saludo ao amigo Alberto
 Fotografias ©João Dias
    

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

Corvos Marinhos


Foto: (-1) 
 Estes serão,dentro em breve,os inimigos nº1 da pesca à truta,não só em Portugal nas um pouco por toda a Europa,sendo já considerados uma praga....UE terá que tomar medidas urgentes para regular este grave problema que está a afectar gravemente as populações truteiras em toda a Europa.

©fotografia retirada daqui

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Concessão no alto Rio Lima


 CONCESSÃO DE PESCA NO RIO LIMA E RIO DA PONTE
CLUBE DE CAÇA E PESCA DA FREGUESIA DO LINDOSO

Nova Concessão atribuída,desta feita no alto Lima.
 quem já pescou este troço sabe que não pertence às coisas terrenas- é o Paraíso

Mais uma vez é com agrado que verifico que  a convergência entre ICNF-IP e as associações sediadas em pleno PNPG tem-se pautado pelo entendimento no que diz respeito à pesca.Já o mesmo não posso dizer em relação a uma luta,sem fim à vista,relativamente às  taxas (152€) cobradas por um simples pedido de autorização a quem quer usufruir algumas zonas do PNPG.

Outra coisa que nunca compreendi é o facto de haver 2 pesos e duas medidas dentro do Parque,uma para caça e outra para a pesca.A caça,mesmo dentro de  áreas sensíveis, sempre foi permitida e com graves danos ambientais,tais como envolcros feitos em materiais de difícil decomposição ,espalhados pela serra e  para já não falar do ruído dos tiros que cortam o silencio da serra.....
Senão vejamos aquilo que os ambientalistas dizem,por exemplo aqui;
" João Branco acrescentou que um dos pontos negativos dos regulamentos é o facto de se poder caçar em áreas protegidas, como os parques nacionais e naturais. "Tanto se pode caçar no Gerês como em Montesinho como no Alvão. Em termos cinegéticos, as áreas protegidas são iguais às outras. Acabam por não proteger absolutamente nada", lamentou.João Branco .http://www.esquerda.net/artigo/ca%C3%A7-governo-permite-abate-de-esp%C3%A9cies-em-vias-de-extin%C3%A7%C3%A3o

Nada tenho contra os caçadores,apenas tento defender aquilo que me diz respeito que é a pesca sustentada e sustentável dentro de uma área que pertence a todos e como tal deve de ser usufruída  por todos da  mesma forma.    
Enfim,bem sabemos porque isso acontece(muitos dos responsáveis pelo Parque são caçadores,incluindo alguns dos mais altos responsáveis do actual governo) ver por exemplo aqui

Mas falando sobre esta concessão ,que eu conheço como as palmas da minha mão,posso afirmar que para mim, de todas as que conheço esta é uma das mais belas em termos de paisagem e biodiversidade,com fortes probabilidades de se encontrar águias,raposas,grandes trutas,grandes barbos,um carvalhal milenar,enormes e perigosas gargantas,só ultrapassáveis com o  conhecimento milímetrico de estreitos carreiros por entre precipícios lavrados pelos pastores.

A sua extensão é de cerca de 5 km e compreende-se  entre a albufeira de Touvedo e a albufeira do Alto Lindoso
                        muitas vezes pesquei esta garganta sósinho

Toda ela percorre uma escarpada garganta com grandes declives,onde o rio mantém um caudal mais ou menos constante porque é regulado pela  barragem  do Alto Lindoso. Contudo,no Inverno e Primavera este caudal sobe significativamente por consequência dos tributos do rio Adrão ,também ele alvo de Concessão ,na sua margem direita e o rio da Ponte (Sardinha como muitos o conhecem)na sua margem esquerda.

Não conheço ainda os moldes em vai assentar  esta concessão,mas esperemos que seja gerida com a consciência e privilegie sobretudo a pesca sem morte,pois tem excelentes condições para tal.Esta,poderá em poucos anos,ser uma referencia a todos os níveis para os pescadores,basta para isso que os seus gestores percebam que tem em mãos um diamante bruto para lapidar pois este é dos melhores troços de rio para explorar....vamos esperar! 
Fotografias©João Dias

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

De volta ao Gerês profundo

Depois de largo interregno nas grandes caminhadas pelos velhos  trilhos do Gerês,muito por culpa da época truteira se ter prolongado mais este ano,chegou a época das grandes caminhadas.

Depois de sucessivos adiamentos por culpa das condições climatéricas não serem ideais,ontem estava decidido a caminhar.

Tinha em mente ir aos prados da Messe e se tudo corresse bem ir mais além.O dia estava ideal para uma longa caminhada.
Em princípio era para ter feito a caminhada sozinho mas à ultima  hora tive a companhia do Macedo.
Começamos no já tradicional trilho que parte da Portela de Leonte,subindo até ao Mourô seguindo as velhas(algumas novas)mariolas em direção ao Borrageiro.


Não demorou muito a chegar ás lamas de Borrageiro e Lomba de Pau.Apartir daqui era flectir para a direita e subir o vale até avistar o Conho e o vale do ribeiro do Porto das Vacas tendo como pano de fundo as imponentes Fechinhas e o "farol" altaneiro do Cantarelo.


Aqui a serra é mais rude e agreste dando-nos uma outra perspectiva da imensidão dos grandes glaciares outrora dominantes desta imensa área.


Passamos e visitamos o Conho,com as suas pastagens muito verdejantes e seu imponente penedo,a sua cabana muito bem estimada e com vestígios de ter sido ocupada recentemente,provavelmente por caminheiros de muito bom gosto a avaliar pelos restos do repasto e do vinho de qualidade bebido...pena foi que só lá ficou o vidro,pesaria menos a garrafa vazia....enfim!
Havia também uma cama de urze,lenha recentemente queimada,um par de meias femininas e algum lixo recente.
 
Dali  aos Prados da Messe é um tirinho onde aproveitamos para repor forças e delinear estratégias para o resto do dia.
 Messe,ainda muito verdejante.
Prados Caveiros


Os dias começam a ficar curtos pelo que arriscar aventuras em terrenos desconhecidos por estas alturas pode muito bem ser arriscado.
Avaliamos e ponderamos o regresso,ou pelos prados Caveiros e descer a Costa da Sabrosa ou regressaria-mos mais ou menos pelo mesmo sitio da subida.
Nem discutimos muito,optamos por descer a Costa da Sabrosa.

É só descer esta encosta....muito fácil...será?prefiro subi-la a desce-la.
 

segunda-feira, 5 de novembro de 2012

Sons do Minho

De vez em quando deixo aqui um ou outro post sobre uma paixão que tenho desde menino-o folclore Alto-minhoto.
Não o faço só pelo prazer pessoal que tenho em actualizar o blog mas também para dar a conhecer um pouco da cultura e tradições da minha cidade,Viana do Castelo,a quem gosta de cá vir e é de Países tão longínquos  como Canadá,USA,Brasil ou mesmo alguns Asiáticos e Africanos.

Dentro desta paixão,ao longo dos anos,tenho vindo a conhecer  e a somar grandes amizades dentro desta área,conhecendo uma grande parte daquilo que,na minha modesta opinião,se de melhor  faz dentro dos grupos,uns já veteranos,outros não tanto....e recordo com saudade e nostalgia o já extinto Cantares do Minho  ou mesmo a Festada Minhota do meu querido amigo e grande musico Alcino Amado.



Os Sons do Minho são o  exemplo disso e das tradições culturais do Alto Minho,onde a sua identidade,e  a matriz   das  musicas folk,nunca descoroaram(sempre como pano de fundo)a Cidade de Viana do Castelo.

Vi nascer este grupo,composto por músicos profissionais(quando digo profissionais não me refiro a amadores mas sim a carreiras,algumas das quais académicas)de grande qualidade

Claro está que o resultado disto só poderia dar em trabalhos de grande profissionalismo. .



Uma vez mais terei o privilegio de tocar com eles no dia 17 em mais uma grande festa
Um grande abraço a todos os músicos