quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Sabrosa/Pé de Medela/ e por aí a dentro...

Dias fantásticos para caminhar na serra,com sol radioso e temperaturas amenas,vão dando para uns passeios pelas entranhas da Serras do Gerês.

Desta vez fiz um dos mais belos e difíceis trilhos da Serra,subindo a  Costa da Sabrosa em direcção a Pé de Medela,Carris de Maçeira,Cantarelo,Curral da Pedra,Borragueiro,e por aí,até Portela de Leonte.
Não eram paisagens novas para mim,pois já o havia feito à já algum tempo no sentido inverso(Leonte com descida na Sabrosa)e logo aí ficou a vontade de o subir.

Uma surpresa surgiu na altura em que estava-mos a fazer uma ligeira refeição,um grupo de 5 ou 6 pessoas caminhavam com duas crianças,vindos do Borragueiro,penso que em direcção aos prados da Messe,pelo que me apercebi e a avaliar pelas mochilas,iriam preparados para passar a noite na Serra.Tive muita pena de não conseguir chegar à conversa com eles pois julgo que não me eram estranhos.
Algumas fotografias...


                                Muito gelo...

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Problemática da pesca desportiva dentro do PNPG


O fecho total,por parte do ICNB, da pesca desportiva dentro do PNPG tem suscitado enorme contestação entre as populações locais e pescadores desportivos.
O que está em causa é o seu artigo nº31. 
Esta decisão foi tomada à luz do Plano de ordenamento do parque  aprovado a 27 de Janeiro(ver aqui),portanto em cima da abertura da época desportiva,não deixando na altura margem para protesto aos pescadores.

Varias formas de protesto tem vindo a ser trabalhadas,algumas já apresentadas,por forma a que o actual governo venha a ter a sensibilidade de rever o actual POPNPG,não só no que respeita à pesca,bem como outros problemas,alguns deles bem mais sensíveis,como os baldios e as taxas.

Várias são as  propostas e cartas apresentadas,a quem de direito,e que podem ser consultadas aqui, aqui,aqui,aqui ou aqui.

Não só as populações residentes enviaram cartas/propostas,também pescadores e montanhistas  tem tido um papel activo e preponderante  na elaboração de documentos que julgam ser do seu interesse,sempre salvaguardando,nas suas propostas,o profundo e  inalienável interesse  e respeito pelas populações do parque.Algumas delas podem ser consultadas aqui ou ainda aqui.

Decorre neste blog,no canto superior direito,uma sondagem meramente como fins indicativos do sentimento de quem visita este espaço,mas que servirá de análise para posteriormente  ser enviado ao ICNB.


 


quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

Um clássico


Subir até Pé de Cabril a partir de Junçeda em finais de Outono é sempre motivo de uma jornada memorável.

Não vou descrever muitos pormenores em relação a este clássico trilho,pois é um dos mais conhecidos de quem tem a paixão do pedestrianismo e percorre a Serra de Gerês.
Contudo não queria deixar de partilhar algumas fotografias e algumas derivações no regresso a Junçeda. 
Depois de subir ao topo do promontório granítico,desfrutar de uma vista fabulosa sobre a imensidão da serra,obter algumas fotografias era tempo de aquecer o estômago.O local escolhido foi o prado que se situa em baixo do lado Norte(não sei o nome).
Esta cabana apresenta um novo telhado feito recentemente à base de um material sintético muito leve.
Depois da ligeira refeição era tempo de regressar-mos,mas não pelo mesmo trilho.

Na ânsia de novas descobertas e com algum tempo disponível,optamos por  descer pelo lado oposto da subida.
Não sabia-mos muito bem onde iria parar.Tudo por aquelas bandas era desconhecido,apenas o GPS era a nossa orientação.
Ao principio avistaram-se algumas mariolas(manhosas)que acabaram por nos conduzir a....lado nenhum...alguns metros à frente desapareceram ou então nós perdemos-lhes o rasto.  

À medida que ia-mos progredindo no terreno,distanciávamo-nos cada vez mais da linha traçada da subida.Entretanto começamos a ter em pano fundo a albufeira de Vilarinho da Furna e uma perspectiva total da serra Amarela.Assim caminhamos cerca de 1.30h,sem saber muito bem onde estávamos(não levava-mos nenhuma carta)passando  pelos picos que se avistam da Geira.Por fim fomos cruzar novamente o trilho da Silha dos Ursos e regressar ao ponto de partida.
Cerca de 12 km percorridos. 
Vale bem a pena esta derivação,embora muito penosa devido à falta de carreiros.....
 Algumas fotografias....